COLEÇÃO DE UNIFORMES


Yolanda Prezentino
           Yolanda Prezentino estudou no CEIC parte da infância e concluiu o Ensino Médio na Unidade de Itapoã. Hoje, aos 25 anos de idade, nossa ex-aluna formada em Marketing / Edição audiovisual / Direção - Film Base em Dublin, na Inglaterra, retornou ao Brasil e já colhe os frutos da sua nova fase profissional.

Diretora de Produção do curta-metragem “A Última Coisa Que Vi”, Yolanda conversou com a nossa redação sobre seus projetos e o orgulho em representar nosso estado no concurso The Walkers.

Para assistir ao curta, clique aqui: A ÚLTIMA COISA QUE VI (inserir o link)https://www.youtube.com/watch?v=8idHWEUbdXs#t=42

 

1. Como foi participar do curta-metragem “A Última Coisa Que Vi”?

Produzir vídeos sempre foi minha paixão, nada me dá tanto prazer do que assistir aos trabalhos que eu produzo ou aqueles que faço parte. Como foi o caso do curta : "A última coisa que vi”. Desde que voltei de uma viagem com experiências maravilhosas na Europa, estava na agitação total para produzir algo de fato significativo, foi quando meu atual sócio e amigo me chamou para produção de vídeos na empresa de Marketing Digital People Y, a qual faço vídeos para web atualmente. Com todo esse caminho a percorrer a gente sente a necessidade de estudar mais e aprender mais, e foi assim que eu conheci o Victor Alejandro e o Gabriel Hand que fazem parte do projeto do curta.

Nos conhecemos em um curso de Cinema, e o Victor tinha um roteiro em mente e queria produzir para o concurso The Walkers - Youtube, na hora que vi essa figura não acreditei que poderia ser tão fera, mas me enganei, o cara é fera demais, um diretor super talentoso, recém chegado da Austrália, com uma base teórica incrível e uma jogada de câmera peculiar. E junto com ele tinha o Gabriel Hand, que elevou o nível do curta com o vasto conhecimento em direção de arte, se vocês analisarem o curta tem uma fotografia deslumbrante que nos faz sentir orgulho do estado em que vivemos, sem contar que o Gabriel mandou super bem no figurino da galera e nas cores estabelecidas no curta.

Então, minha experiencia não poderia ter sido melhor, além de estar concorrendo em uma premiação de nível nacional, pude aprender com quem  realmente sabe na prática como fazer, além de ter feito dois novos amigos que já considero demais.

 

2. Por que retratar a cegueira?

O Victor e o Gabriel, tinham a idéia de passar algo sensível no curta. E retratar a deficiência visual, do modo delicado, como fizemos, foi realmente algo que nos agradou.

O protagonista passa a todo o tempo tentando entender os sentimentos de um deficiente visual, principalmente sentir o que a sua amada sentiria e passaria por ser uma.

Importante ressaltar também que o concurso nos prendeu a um tema, ou seja, a gente tinha que desenvolver um roteiro que tivesse adequado ao mesmo : “Não existe futuro incerto, o caminho é construído ao percorrê-lo”

O retrato da deficiência visual, nos fez acreditar em algo possível, em uma vida acessível e normal para aqueles que possuem alguma mobilidade reduzida, sendo assim resolvemos explorar os sentimentos que envolvem isso tudo.

 

3. Qual a importância do concurso e como você se sente representando o nosso estado?

Representar o ES pra mim, é mostrar que somos capazes de muito mais. E principalmente, que os capixabas deveriam se unir mais, produzir mais juntos, a gente tem que entender que sozinhos as coisas até podem dar certo, mas que você levar uma equipe competente com você é muito mais válido.

Eu nasci aqui, sou Capixaba, mas o Victor por exemplo é paulista e desenvolveu essa ideia aqui no estado e muitas pessoas de inicio abraçaram a idéia mas não levaram à frente, acarretando minha entrada e a entrada do Gabriel também.

O ES tem um potencial fotográfico enorme e explorar esse contexto sem roteiros chatos e clichês, é um do nossos desafios. Por mais que eu ache importante o aspecto cultural, acho que está na hora do ES mostrar que temos bons roteiristas e que a criação e produção do ES também é de excelente qualidade. Chega de bater na mesma tecla, nas mesmas idéias, está na hora de criar algo novo e mostrar para o Brasil que temos gente boa aqui e que o nosso cenário audiovisual está crescendo.

É importante usar a web para isso, para difundir novos talentos, novas produções curtas, objetivas e com um roteiro genial. Além de termos toda essa base que o cinema nos traz, acredito que a repercussão ganha espaço cada vez mais pelas mídias sociais, tanto que esse concurso esta diretamente ligado ao Youtube.

Estamos confiantes e com certeza vocês virão nossos rostinhos em mais festivais e concursos, por aí.

 

4. O que você pretende realizar nos próximos anos e qual mensagem deixaria para os alunos que pretendem seguir carreira na área de fotografia e cinema?

Bom, nos próximos anos pretendo continuar estudando, assistindo muito filme, continuar trabalhando no que eu gosto, porque eu acho que o segredo esta em fazer o que te satisfaz todos os dias.

Em um ano, documentei minha passagem por 7 capitais mundiais diferentes, pretendo continuar viajando e documentando pelo mundo a fora, além de continuar trabalhando na produção dos projetos audiovisuais.

Para vocês, futuros cineastas, estudem, entendam dos processos, tenham prazer em assistir um bom filme, em entender como uma determinada cena foi produzida. Assistam vídeos tutoriais, escrevam, pensem e nunca parem de criar.

Converse com seus amigos sobre suas vontades profissionais, eles podem ter os meus sonhos que você e vocês podem começar a viver isso juntos a criar juntos, lembra do Victor e do Gabriel que eu citei a cima? E do Flávio ? Eu não conseguiria sem eles!

COMPARTILHE COM UM AMIGO
Se você gostou do conteúdo desta página e deseja compartilhá-la com outras pessoas,
preencha os campos abaixo.
Seu nome:
Seu e-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Unidade Itapoã
R. Jaime Duarte do Nascimento, 617, Itapoã - Vila Velha-ES, CEP: 29101-620
Telefone: (27) 3320-5900