Editoriais


OS LIVROS NA MINHA VIDA

23/03/2018

OS LIVROS NA MINHA VIDA

O diferencial do livro e o que mais me deslumbrava, é que no canto superior direito, em cada página, havia um desenho do pica-pau e, passando as páginas bem rápido, era como assistir a um desenho animado.

Guardei o livro por anos a fio e, em certa época da vida, achando que já estava bem crescidinha para guardar tão infantil livro, me desfiz dele. Ainda bem que arrependimento não mata! E os anos foram passando sem que os livros me chamassem a atenção e somente aos 21 anos, redescobri o prazer da leitura e não mais parei.

Foi deste momento em diante que me apaixonei pelos livros e me envolvi definitivamente com eles. Fui sócia do Círculo do Livro; comprei coleções que vendiam em banca de jornal, e não satisfeita em apenas comprar, me tornei proprietária de uma revistaria que, entre outras coisas, tinha uma locadora de livros. Quando encerrei as atividades da revistaria já contava com mais de 800 livros de literatura e guardei todos em minha residência, mas por circunstâncias da vida, tive que vendê-los. Ai, que dó! Mas quer saber, livro tem mesmo que circular e, dentro de casa, além de mim, só as traças iriam aproveitar.

Hoje, trabalho em uma biblioteca, mas não é uma qualquer não, é a Biblioteca do Colégio CEIC, onde meus filhos estudaram durante muitos anos. Cada aluno que atendo, é como se fosse meu filho, são meus alunos-filhos. Sinto muito prazer em ajudá-los na aventura da leitura, auxiliando cada um a encontrar o livro ideal para seu deleite. Aqui, em meio aos livros e os interessados leitores, me sinto como “um pinto no lixo”. 

Tenho muitos livros que me marcaram durante esses anos de vida, porém, como não possuo mais o meu primeiro, elegi um substituto que está bem aqui à mão na nossa biblioteca, é o livro infantil “A esperta mão aberta”, de Inês Yajima Habara, Editora Ao Livro Técnico. Sempre o indico para meus pequenos leitores.

Meus alunos-filhos sempre me perguntam se leio tudo o que chega aqui. Impossível!!! Só se eu fosse a Superbibliotecária e conseguisse ler como o Super-Homem. Como saber então se os livros são interessantes? Elementar, meu caro Watson.Troco infinitas informações com os leitores, que me contam o que acharam das histórias que leram. O colégio tem muitos críticos literários latentes.

Ler é tudo de bom! Leio no ônibus, nas filas, no intervalo do almoço, sempre que surge oportunidade, lá estou eu, lendo, lendo, lendo... Gosto de literatura variada. Paulo de Tarso disse “Ler (examinar) de tudo e reter o que é bom”. Sábias palavras, afinal informação não faz mal para ninguém, pelo contrário, só amplia nossa capacidade de análise e de conhecimento.

 


Círculo do Livro foi uma editora brasileira estabelecida em março de 1973 através de um acordo firmado entre o Grupo Abril e a editora alemã Bertelsmann. Vendia livros por um "sistema de clube", onde a pessoa era indicada por algum sócio e, a partir disso, recebia uma revista quinzenal com dezenas de títulos a serem escolhidos. O novo sócio teria então a obrigação de comprar ao menos um livro no período.

 

Dr. John H. Watson é um personagem de ficção, biógrafo e companheiro dos casos de Sherlock Holmes, o famoso detetive do século XIX criado pelo escritor britânico Sir Arthur Conan Doyle.

Bem, estou aqui, ano após ano, apreciando o desabrochar de novos leitores e cada um tem seu momento de eclosão do interesse. Se seu momento já chegou, parabéns! Se não chegou, é porque ainda não encontrou o livro certo, aquele que abre a porta para todos os outros. Boa sorte na procura.

Jussara Barros